sábado, 23 de junho de 2018

Mojave Desert

📸 Brandy Dyess

Church Of Misery @ SWR Barroselas Metalfest (2018)

Review: ⚡ Fuzz Forward - 'Out of Nowhere' (2018) ⚡

Da cidade espanhola de Barcelona chega-nos ‘Out of Nowhere’, o fervilhante álbum de estreia da jovem banda Fuzz Forward. Lançado em solo primaveril tanto na forma digital como em formato físico de CD e vinil – resultado de uma parceria discográfica entre a Discos Macarras, Odio Sonoro, Spinda Records e a Red Sun Records – este disco exibe um ritmado, robusto, quente e torneado Hard Rock de ares clássicos, harmonizado por um inflamante, melódico, atlético e entusiasmante Grunge Rock à boa moda dos carismático 90’s, e climatizado por um enérgico, atraente, desértico Stoner Rock de forte compleição física. A sua sonoridade ardente, calorosa, sumptuosa e contagiante – incendiada e empolada pelo cáustico efeito Fuzz – causa no ouvinte uma prazerosa sensação de fascínio e sedução que o envolve e revolve do primeiro ao último tema. Conseguem imaginar uma violenta colisão entre Sasquatch e os lendários Alice in Chains? Se sim, alcançaram a essência de Fuzz Forward. São cerca de 43 minutos ebulidos numa intensa e vulcânica saturação que nos aquece, estarrece e anima. Sintam a ardência de Fuzz Forward à estimulante boleia de uma guitarra que se enegrece, encrespa e amplifica em riffs montanhosos, fluídos e ostentosos, e se excede e serpenteia em solos borbulhantes, astrais, viscerais e alucinantes, um baixo encorpado e tonificante, de linhas pulsantes, tensas e reverberantes que sublinha, sombreia e revigora o riff-base, uma bateria faiscante de ritmicidade explosiva, vigorosa e ofensiva, e ainda uma chamejante voz de textura áspera e lubrificada a melosidade e fogosidade – fazendo recordar a saudosa e singular voz do eterno Layne Staley – que empresta a este registo toda uma desarmante e aliciante elegância à veraneia atmosfera de ‘Out of Nowhere’. Este é um álbum de audição obrigatória a todos os amantes dos géneros já citados. Deixem-se incendiar e dominar pela sedutora impetuosidade de Fuzz Forward e vivenciem com total fervor e exaltação esta elogiosa estreia da banda catalã.

quinta-feira, 21 de junho de 2018

Black Bombaim // Freak Valley Festival

Review: ⚡ Howard - 'Howard I' EP (2018) ⚡

Da capital francesa chega-nos o estético e distinto EP de estreia do jovem tridente Howard. Lançado muito recentemente nos formatos de digital e CD através das suas páginas oficiais de Bandcamp e Bigcartel, este ‘Howard I’ vem fervido num ardente, sedutor, arrebatador e envolvente Stoner Rock estimulado e inflamado pelo urticante e chamejante efeito Fuzz e em agradável parceria com um elegante, tentador, encantador e exuberante Blues Rock de aroma adocicado. A sua sonoridade apaixonante, catalisadora, carismática e embriagante – conduzida a dinamismo, vivacidade, inspiração e habilidade – causa no ouvinte uma intensa sensação de apego e deslumbramento que o acaricia do primeiro ao derradeiro tema. São cerca de 17 minutos ensolarados e aquecidos por uma esplendorosa, mágica, sumptuosa e intimista atmosfera que nos abraça, afaga e conquista. Embrenhem-se na fascinante, perfumada e provocante melosidade transpirada e propagada por ‘Howard I’ à paradisíaca boleia sonora de um intrigante, sublime e liderante órgão Hammond de irresistíveis, exóticos, apoteóticos e notáveis bailados que se envaidecem e enaltecem na consistente, robusta, torneada e oscilante sombra de um sintetizador Moog que se camufla de baixo, uma maravilhosa e ostentosa guitarra de poderosos, reverberantes, reluzentes e primorosos riffs que desaguam em alucinantes, cuidados, aparatosos e desarmantes solos, uma voz refrescante, melodiosa, amistosa e revigorante, e uma bateria cintilante – de toque polido, inventivo e emocionante – que tiquetaqueia com leveza, maestria e firmeza toda esta promissora estreia da prodigiosa banda parisiense. É-me ainda relevante elogiar o harmonioso artwork de natureza poética e campesina – superiormente pensado e ilustrado pelo incontornável, afamado e inimitável artista francês JoRiou – que de forma tão fiel traduzira para a imagem tudo o que a musicalidade desta obra nos sugere. ‘Howard I’ é um adorável registo que – apesar da sua curta duração – deixa em nós uma demorada ressaca. Bronzeiem-se na afável, lenitiva e admirável radiância de Howard e sintam-se atracar num relaxante, inabalável e embriagante estádio de pleno êxtase que vos mitigará a alma e massajará o cerebelo. Um dos mais audaciosos, requintados e deliciosos EP’s do ano está aqui, na fabulosa, quimérica e prazerosa essência de ‘Howard I’. Diluam-se nele.

© Robert Crumb (70's)

terça-feira, 19 de junho de 2018

Sleep's Dopesmoker

Funeral Horse - "Emperor Of All Maladies" (2018)

Review: ⚡Funeral Horse - 'Psalms for the Mourning' (2018)⚡

Conseguem imaginar a sonoridade obscura e vigorosa de Black Sabbath parcialmente transfigurada num ardente e tonificante Garage Rock de atitude Punk? Se sim, alcançaram os fascinantes domínios de Funeral Horse. Este radical power-trio oriundo da cidade de Houston (Texas, EUA) acaba de lançar o seu novo álbum ‘Psalms For The Mourning’ em formato físico de vinil (numa edição ultra-limitada a 500 cópias existentes) através do selo discográfico local Artificial Head Records, e o mesmo provocara em mim uma forte implosão de entusiasmo. A sua sonoridade de natureza complexa e peculiar passeia-se de um atraente, veraneio, ritmado e deslumbrante Garage Rock – pontapeado por um vagaroso, sonolento e ocioso Punk Rock de rotação branda, e bronzeado por um refrescante Surf Rock de índole sessentista – a um intrigante, robusto, sombrio e empolgante Heavy Metal de feição e tonalidade Sabbath’ica, atravessando ainda as margens de um elegante, carismático e apaixonante Delta Blues de inspiração rústica. E são estes ingredientes musicais tão profundamente contrastantes e aparentemente incompatíveis, mas que quando conjugados, temperados e devidamente cozinhados com a maestria desta formação norte-americana resultam numa enigmática, aromática e comovente combinação que nos hipnotiza, dilata as pupilas e narcotiza do primeiro ao derradeiro minuto. ‘Psalms For The Mourning’ é um magnífico álbum, assombrado por uma atmosfera instigante, bizarra, exótica e aliciante, que nos faz dançá-lo e reverenciá-lo sem a mais pequena réstia de inibição. Percam-se por entre a airosa e majestosa extravagância de Funeral Horse ao volante de uma excêntrica guitarra criadora de riffs inflamantes, arrojados e facilmente contagiantes, e solos imaginativos, sumptuosos, maravilhosos e lenitivos, um baixo lúgubre e magnetizante de bafagem delineada, pulsante, sombreada e reverberante, uma bateria diligente, inventiva e entusiasmante, esporeada e governada a uma ritmicidade sublimemente multifacetada, e ainda uma voz agressiva, turva, nebulosa e incisiva que cavalga com ousadia toda a obscenidade exalada por ‘Psalms For The Mourning’. Este é um álbum de digestão custosa, mas que melhora substancialmente com o amontoar das audições. Permitam-se dissolver nesta envolvência carnavalesca, mística e burlesca dos texanos Funeral Horse e vivenciem com total entrega e fascinação o transbordante exotismo de um dos álbuns mais singulares de 2018.

Joshua Tree National Park, USA